Aller à la page d'accueil. | Aller au contenu. | Aller à la navigation |

 
 
Acções do Documento

«Ide, Irmãs!

27 fevereiro 2014

Cristo espera-vos em Timor-Leste!»

 

 

 

 

 

 

 

Assim concluiu ontem a celebração do Envio de três Franciscanas Missionárias de Nossa Senhora para a Igreja que está em Timor-Leste, o país do Sol Nascente. As eleitas e envidas são: Ir. Albina da Rocha Ferreira, Ir. Clara do Céu Dias Outeiro e Ir. Gracinda da Conceição Lopes.
Contrariando – embora com as devidas cautelas – as avisadas instruções da Protecção Civil, foram muitas as pessoas que enfrentaram ventos e tempestades para participar na celebração na paróquia de Nossa Senhora do Amial, dinamizada pelos Franciscanos Capuchinhos. Grande número de Irmãs, vindas das várias Comunidades do Norte.
O Coral da Imaculada deu o leitmotiv a esta maravilhosa sinfonia de generosidade: «Cristo Jesus, Tu me chamaste! / Eu te respondo: Estou aqui!»
Seguindo a tradição timorense, as três Irmãs foram “acolhidas” ao iniciar a celebração, com a imposição do «tais» pelos três jovens capuchinhos timorenses: frei Aventino, frei John e frei Rafael.
As leituras da Palavra de Deus parecia terem sido escolhidas a dedo: «Vós sois o sal da terra. Vós sois a luz do mundo» (Evangelho: Mt 5,13). «Reparte o teu pão com o faminto, dá pousada aos pobres sem abrigo, leva roupa ao que não tem que vestir e não voltes as costas ao teu semelhante. Então a tua luz despontará como a aurora» (primeira leitura: Is 58,7). «Entre vós, não devia saber nada senão Jesus Cristo, e Jesus Cristo crucificado» (Paulo, o maior missionário de todos os tempos, na segunda leitura: 1Cor 2,1-5).
Após a homilia de frei Acílio Mendes, que presidiu à Celebração, a Ir. Clara, em nome das três Enviadas, partilhou com a Assembleia a sua vocação e missão missionária, como discípula-apóstola de Jesus Cristo. Historiou também a aventura de Timor, desde os apelos do Capítulo Geral em Paris para uma nova fundação na Ásia ou em África, à concretização deste desafio no Capítulo Provincial em Gondomar, também animadas por uma carta de frei Hermano Filipe, da Paróquia de Laleia.
No momento das oferendas, a apresentação de sete símbolos ligados à Missão, com textos da Encíclica «A Alegria do Evangelho», do papa Francisco. A destacar um cestinho com terra «sagrada», extraída do adro da igreja da paróquia de Nossa Senhora do Rosário de Laleia, a 28 de Julho de 2003: «Nós Te louvamos, Senhor, pela “arte do acompanhamento, de modo a aprendermos a descalçar sempre as sandálias diante da terra sagrada do outro, caminhando num ritmo salutar da proximidade, com um olhar respeitoso e cheio de compaixão, mas que ao mesmo tempo cure, liberte e anime a amadurecer na vida cristã.”» (cf. E.G. 169)
Depois da Comunhão, os Pós-Noviços Capuchinhos, de olhos fixos em Maria, a Mãe da Evangelização, cantaram a «Ave, Maria» em Tetum, seguida de uma Oração mariana, a cargo das três Missionárias.
E chegou o momento do Envio. Em substituição da Irmã Conceição Carvalho, Superiora Provincial da Congregação, presidiu a Irmã Aurora do Carmo, em diálogo com o Presidente, a quem coube a entrega do Crucifixo a cada uma das três apaixonados por Cristo e seu povo.
A concluir, frei Acílio leu uma mensagem de frei Hermano Filipe e de outros Capuchinhos e missionários de Timor Leste, destacando «As respostas a (possíveis) perguntas escrevem-se sobretudo do lado de cá, na terra vermelha de Laleia, nos rostos afáveis, mas gastos pelo tempo, dos velhos, ou no sorriso, cheio de esperança, das crianças. Vinde e vede!»
Mais uma vez, o Coro da Imaculada nos animou com o vibrante «Ide por todo o mundo levar a Boa Nova…»
Sexta-feira, dia 14 de Fevereiro – Dia dos Namorados – as Irmãs Albina, Clara e Gracinda partem para Timor-Leste, concretizando assim o seu enamoramento por Cristo Jesus e a paixão pelo valoroso povo de Timor-Leste.
Razão tem o papa Francisco: «Pensem na Igreja sem as Irmãs. Não. Não se pode pensar. São grandes essas mulheres que consagram as suas vidas e levam a mensagem de Jesus. A Igreja e o mundo precisam deste testemunho do amor e da misericórdia de Deus».

frei Acílio Mendes


 

<< Voltar à lista